Música

Tudo sobre os Beatles e sua influência para a música moderna

Publicado por Veja Notícias no dia 04/12/2021 as 11:45

Em 1940, John Lennon nasceu em Liverpool, Inglaterra, em um dia como hoje. O cantor, ator, compositor e multi-instrumentista se destacou em sua vida principalmente por ter sido o líder e fundador da grande banda The Beatles de todos os tempos. 

Tudo sobre os Beatles e sua influência para a música moderna

Eleito o quinto melhor cantor de todos os tempos por meio da revista Rolling Stone, e ainda na lista de melhor guitarrista (55º) e maior artista de todos os tempos (1º membro dos Beatles, 38º artista solo), Lennon faria 80 anos se não tivesse sido assassinado covardemente por um fã chamado Mark David Chapman em 1980. 

Em outras palavras, para celebrar a vida e a obra deste grande artista famoso, decidimos trazer a você um pouco da influência dos Beatles na cultura pop, na música, no cinema e em todo o mundo. Sem muita bobagem, vamos continuar!

Sobre os Beatles

Como mencionado anteriormente, os Beatles são considerados pela maioria dos guru da música e da cultura como a melhor banda de todos os tempos. 

A banda foi fundada em 1960 e tem uma história de dez anos. Inicialmente, no final dos anos 1950, a banda se chamava The Quarrymen, e mais tarde composta por Ringo Starr, George Harrison, Paul McCartney e John Lennon, adotou o nome, The Beatles. 

A influência dos Beatles no mundo é inegável, não se limitando à indústria musical. 

Em dez anos de seu negócio, eles lançaram 13 álbuns de estúdio e promoveram algumas das inovações bastante atraentes em métodos de produção e consumo de música. No entanto, eles também são bastante influentes na indústria cinematográfica, protagonistas de 5 filmes. 

Nos anos 1960, o quarteto esteve no centro de um movimento sem precedentes, tanto antes como depois deles: a “Beatlemania” – sua influência ainda ressoa pelo mundo até hoje, um amor pelos Beatles, transmitido de geração em geração. 

Até o momento, os Beatles são os artistas mais vendidos da história da música, com mais de 600 milhões de cópias vendidas em todo o mundo. 

Por isso, eles estão incluídos na lista das 100 pessoas mais importantes do século XX da revista Time.

No cinema

Na era dos Beatles, não era novidade para os artistas da música estrelarem obras de cinema. Por exemplo, Elvis Presley (Elvis Presley) é famoso por este modelo. É usado em maior parte para fins de marketing e para atender a demanda do público por contato com seus ídolos. 

Em outras palavras, nos primeiros dias do sucesso da banda, eles foram convidados a atuar em trabalhos que os apresentassem. 

Veja também: Freddie Mercury: A biografia definitiva

No entanto, a maior diferença é que esses trabalhos foram diferentes e inovadores (a maioria deles) no caso do Quarteto Fantástico de Liverpool. Vamos conhecê-los!

Let It Be

Finalmente, em 1970, foi lançado o documentário “Let it Be”, mostrando os bastidores da última gravação da banda. 

O filme ganhou o Oscar de melhor trilha sonora, sendo considerado pelos fãs como o fim da história da grande banda de todos os tempos.

A Hard Day’s Night

O primeiro filme da banda, A Hard Day’s Night (no Brasil, Os Reis do Ié, Ié, Ié), começou em 1964. Seu enredo mostra o dia a dia da banda na Beatlemania, o que é tecnicamente considerado. É uma questão muito inovadora. 

Principalmente o diretor Richard Lester, ele mostrou diferentes formas de filmar musicais e mostrou a origem dos videoclipes modernos como os conhecemos (é por isso que Lester é considerado por alguns como o “paizão dos videoclipes”). 

No entanto, o estilo desse filme tem grande influência no que conhecemos como “Mockumentary”, é um híbrido de documentário e drama, pois seu objetivo é mostrar o real cotidiano da banda. No entanto, isso é feito em etapas.

Magical Mystery Tour

No ano de 1967, os Beatles estrelaram uma bizarra jornada de mistério mágico no auge da contracultura e da esquizofrenia na década de 1960. 

Este é um filme psicodélico surreal realizado diretamente para a televisão (daí a incapacidade de explicar o que o filme trata, eles estão literalmente indo em uma jornada mágica e misteriosa). 

Muita gente julga que esse filme é a pior coisa que a banda já fez. Há quem discorde. Mas tornou-se importante entender esse período da carreira da banda.

Help!

Logo depois, em 1965, Lester dirigiu o segundo filme dos Beatles: Help! 

Com uma diferente proposta (a ideia atual é ser mais uma comédia “escrachada”), na trama, seguimos o quarteto para escapar de uma seita que quer roubar o anel de Ringo. 

Embora considerado inferior ao seu antecessor, os pontos de orientação técnica de Lester continuam a existir no filme, e as figuras musicais ao longo do filme têm cenas diferentes.

Yellow Submarine

Em 1968, o igualmente psicodélico filme de animação “Yellow Submarine” de George Dunning foi lançado. Na trama, seguimos os Beatles e somos chamados a ajudar as pessoas em uma terra maravilhosa chamada “Pepperland” regida por meio dos “Malvados Azuis” que odeiam a música. 

Eles pegaram um submarino amarelo para Pepperland para resgatá-la e embarcaram em uma jornada surreal. Como uma das melhores animações de todos os tempos, era muito popular na época. Projetado para crianças e adultos, este é um feito sem precedentes em uma época em que a pintura é considerada projetada para crianças. 

Portanto, ela é bastante importante para a indústria de animação e tem impacto em produtos como “Os Simpsons” e, posteriormente, filmes da Pixar e Disney. Como disse o ex-presidente da Pixar, John Lasseter: “O submarino amarelo abre caminho para o diversificado mundo da animação que desfrutamos e conhecemos hoje.”

Crises e divergências criativas: o fim dos Beatles

Mesmo hoje, ainda há notícias ou histórias sobre os fatos que levaram à separação de Paul, Ringo, George e John. Existem muitos deles, mas fizemos um resumo básico para você ficar sabendo. Em 1967, o empresário Brian Epstein morreu de overdose acidental, chocando a moral do grupo. 

Paul assumiu o papel de líder e tentou manter as chamas dos Beatles acesas, entretanto, a vaidade e o conflito estavam lentamente destruindo sua vontade de se unir. Embora Paul siga o estilo workaholic, John está comprometido com a liberdade criativa, e seu relacionamento com Yoko Ono o inspirou a seguir esse caminho.

A aparição do artista oriental em gravações e ensaios tornou esse contato exaustivo, e George, e Ringo até deixaram os Beatles por motivos diversos. 

Não houve apresentações ou turnês desde 1966, o encontro não foi tão pacífico e o Álbum dos Beatles / White foi gravado neste clima. 

Curiosamente, foi nesta época que a personalidade musical se tornou mais clara, e alguns dos grandes clássicos foram lançados: When My Guitar Gently Weeps, Hey Jude e Revolution. O final está próximo, no entanto, antes disso, a última memorável apresentação pública foi em 1969. 

No terraço da gravadora, todo o conjunto do quarteto re-apareceu ali. Por tanto, todo mundo tem um propósito, e Paul anunciou oficialmente o fim dos Beatles um ano depois.

Veja Notícias

Veja Notícias

O Veja Notícias é um portal de variedades para leitores de todo o Brasil.

Outros artigos

Ozonioterapia na podologia funciona? Entenda!

24 de novembro de 2021

Ozonioterapia na podologia funciona? Entenda!

Por que não damos tanta importância para nossos pés? Já pensou nisso? Por mais que sejam responsáveis por nos sustentar, nos ajudam a caminhar e realizar todas as o...

Você pode ter interesse em:

Freddie Mercury: A biografia definitiva

Freddie Mercury: A biografia definitiva