Finanças

Posso utilizar a previdência privada para comprar um imóvel?

Publicado por Veja Notícias no dia 07/06/2021 as 11:19

Depois do endurecimento das regras da previdência social, muitas pessoas buscaram formas de complementar a renda no futuro por meio da aposentadoria privada. Os planos de previdência privada chamam cada vez mais a atenção de quem deseja ter mais tranquilidade no futuro, mas o montante aplicado também pode ser usado para outras finalidades.

Não há mistério na hora de resgatar o capital investido em um plano de previdência privada. Aliás, essa é uma das principais vantagens desse tipo de investimento. Apesar do foco ser na construção de uma aposentadoria complementar à previdência pública, o dinheiro investido pode ser usado para a realização de outros sonhos como a compra de um imóvel.

O sonho da casa própria também pode ser realizado por meio da previdência privada. Muitas pessoas ainda olham para estes planos como uma espécie de poupança complementar para a aposentadoria, mas não há nada que restrinja a necessidade de usar os valores para outros fins.

O que são planos de previdência privada?

Os planos de previdência privada são ativos oferecidos por bancos, financeiras e organizações, que consistem na acumulação de capital para resgate a médio ou longo prazo. A finalidade principal é servir como aposentadoria complementar para os investidores, mas por meio do resgate total, o investidor pode utilizar o dinheiro para realizar outros sonhos.

O funcionamento de um plano de previdência privada é bem simples: o investidor realizar aportes mensais ou com a frequência que desejar e tem um prazo mínimo para sacar o dinheiro no futuro.

A maioria dos bancos e financeiras variam bastante os ativos que compõem os planos de previdência privada. Neles, podem estar envolvidos ativos de renda fixa e de renda variável. A intenção principal é gerar a maior rentabilidade possível do investimento.

Como um investimento focado no longo prazo, quanto mais o usuário deixar o tempo passar, maior será a rentabilidade e menores serão as taxas na hora do resgate.

Principais características da previdência privada

Além de uma composição variada de investimentos, os planos de previdência privada se dividem em tipos e tabelas de tributação que trazem novas oportunidades de investimentos.

Os planos PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) podem ajudar na dedução de até 12% da renda bruta anual na declaração de Imposto de Renda. Ideal para quem possui rendimentos mais altos e prefere pagar menos imposto no presente e mais no futuro.

Já os planos VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) operam com característica inversa, os valores não dedutíveis no imposto de renda, o que indica um rendimento mais baixo no presente.

Porém, em caso de resgate no futuro, o imposto só incidirá em cima do montante investido e não da rentabilidade do período, ideal para quem investe em planos de boa rentabilidade e pensam em aproveitar dos ganhos apenas no futuro.

Na previdência privada, também é possível optar por dois tipos de tabelas de tributação: a tabela regressiva e a progressiva.

A tabela progressiva tem alíquotas baseadas no montante total de resgate. Assim, quanto mais for o valor a ser resgatado, maior será a alíquota. A maior alíquota cobrada na tabela é de 27,5%. Essa é uma excelente opção para quem pensa em resgatar o valor a longo prazo.

Já a tabela regressiva começa com uma alíquota bem alta, de 35%, e cai até 10% para investidores que resgatam o investimento após 10 anos. Aqui no caso, o fator principal não é o montante acumulado e sim o tempo de resgate. Quanto maior for o tempo de acúmulo, menor será a alíquota.

Por que a previdência privada pode ser uma boa opção para quem precisa comprar um imóvel?

O primeiro ponto a considerar é que o investimento em planos de previdência privada é bem simples. Você aporta dinheiro no plano, os bancos investem o montante dos ativos que o compõem e o devolvem no futuro com a rentabilidade do período.

O segundo ponto é que os planos de previdência podem apresentar vantagens em relação a outros tipos de investimentos. Em relação a ativos de renda fixa como CDBs e títulos do Tesouro Direto, por exemplo, um plano que seja composto por diversos ativos, entre eles alguns de renda variável, consegue aumentar os ganhos para o investidor.

Da mesma forma, um plano de previdência privada que tenha ativos mesclados, parte de renda fixa e parte na renda variável pode diminuir os riscos, o que é uma vantagem para quem pensa em investir somente em renda variável, um mercado de maior volatilidade.

Então, para quem tem objetivos como a compra de um imóvel, pode se aproveitar para aplicar o seu capital em um investimento que junte segurança e rentabilidade para superar os ativos de renda fixa e fazer frente à renda variável. O mais importante é que o investidor planeje bastante, faça simulações para entender o quanto precisa aportar e durante quanto tempo para conseguir realizar o sonho da casa própria, realizando o resgate total do valor acumulado na previdência privada.

Veja Notícias

Veja Notícias

O Veja Notícias é um portal de variedades para leitores de todo o Brasil.

Outros artigos